A importância do xadrez na escola

O xadrez é um importante instrumento de tomada de consciência, pois ele é interativo e pode ser executado por qualquer pessoa, independentemente de quaisquer divergências. Talvez este seja um dos maiores desafios da educação: aprender a viver juntos, aprender a viver com os outros, respeitando-se as diferenças. Seu caráter democrático, de fato, não distingue gênero, idade, raça ou condição social.

O jogo de xadrez na escola promove a concentração em diversas outras disciplinas e ajuda no seu desenvolvimento e desempenho escolar. O jogo de xadrez é um instrumento pedagógico lúdico e potencializa o ensino-aprendizagem dialógico, empático e impulsionador das competências e habilidades de forma interativa, envolvente, autônoma, com participação qualitativa dos sujeitos da comunidade escolar.

Em seu aspecto formal, o xadrez tem sido utilizado para estudar a memória, a linguagem, a lógica e a inteligência; abarca igualmente a arte, devido ao impacto e valor estético, desafia a criatividade; também o esporte, por envolver adversários sob regras previamente definidas; e, mais atualmente, vem despontando como uma ferramenta poderosa de aprendizado na educação.

A prática do xadrez tem grande valor pedagógico. Por ser um jogo que reproduz uma situação de guerra, mas num contexto lúdico no qual cada jogador tem de criar as suas estratégias, essa atividade proporciona muito mais que uma opção de lazer.

Do ponto de vista pedagógico, é inegável que este jogo estimula capacidades do desenvolvimento cognitivo, como raciocinar na busca dos meios adequados para alcançar um fim; organizar uma variedade de elementos para uma finalidade; imaginar concretamente situações futuras e tomar decisões vinculadas à resolução de problemas.

O Over promove diversas competições internas de xadrez ao longo do ano.

A atividade enxadrística atrelada aos aspectos educacionais tem função peculiar no momento em que contrapomos os objetivos da educação escolar, organizada de forma intencional que tem como um dos principais pressupostos modificar e formar comportamentos nos alunos para que esses possam conviver harmonicamente em sociedade. Nesse ponto, traçamos um paralelo com as potencialidades do jogo de xadrez que favorece esse fim.

Através do jogo, as crianças e jovens apresentam um desenvolvimento pessoal pela autodescoberta e pela autonomia, vão se descobrindo, se respeitando, percebendo suas habilidades, potencialidades e seus limites.

O ensino do xadrez sempre encerrará em seu interior uma dimensão técnica. Mas uma dimensão técnica não significa nem tecnicismo nem performance. O lugar da performance do xadrez e esporte ocorre em competições.

O caráter lúdico pode prevalecer sempre numa aula de xadrez, desde que ela seja realmente uma aula, intencional, organizada, estruturada e planejada. Assim, os alunos tornam-se sujeitos autônomos e críticos a partir da premissa que as jogadas se efetuam por ações próprias, fazem suas escolhas e assumem seus erros como sinônimo de novo aprendizado.

Neste contexto, o xadrez como instrumento educativo transcende o jogo em si, impulsionando a construção de um processo de ensino dialógico, interativo, afetivo, criativo, comprometido, motivador, desafiador, e uma aprendizagem autônoma, subjetiva, libertária, cooperativa e solidária. No jogo de xadrez, há o rompimento de preconceitos e tabus pelo próprio sistema do jogo, no qual a reciprocidade entre os jogadores favorece seus aspectos lúdico e individual.

No Over, Xadrez é uma disciplina do 1º ano do Ensino Fundamental à 2ª série do Ensino Médio.

Dicas para quem está iniciando no xadrez

+ Desenvolver (mover) todas as peças o mais rápido possível no início de uma partida (cavalos e bispos);

+ Evitar mover a mesma peça duas vezes no início de uma partida;

+ Ao começar sua partida, evitar mover muitos peões. Tentar mover no máximo dois peões;

+ Dependendo de sua estratégia, procurar fazer o roque (movimento em que o rei é movido duas casas para esquerda ou direita e a torre salta sobre o rei em direção ao lado oposto) o quanto antes;

+ Procurar dominar o centro do tabuleiro para ganhar espaço e mobilidade;

+ Treinar problemas de xadrez (xeque-mate em uma jogada, por exemplo);

+ Jogar ao menos uma partida por dia;

+ Assistir a filmes e séries sobre xadrez também ajudam. Sugestões: O Gambito da Rainha, O Dono do Jogo, Rainha de Katwe, Lances Inocentes e Jogada de Rei.

Referências
GARCIA, Melquisedek Aguiar. O Xadrez no contexto escolar: pesquisa-ação com estudantes do Ensino Fundamental. Repositório Institucional da UnB, 2011. Disponível em: repositorio.unb.br/bitstream/10482/9398/1/2011_MelquisedekAguiarGarcia.pdf. Acesso em: 12/02/2021

Leave a Comment